Pular para o conteúdo principal

DO PRAZER DA CIÊNCIA À ALEGRIA FILOSÓFICA


O filósofo francês Henri Bergson (1859-1941) viveu em um momento em que a filosofia se encontrava em descrédito perante a ciência. O ideal de progresso científico fazia parte do paradigma da época, fortemente influenciado pelo pensamento positivista de Comte e de outros pensadores. Em um contexto histórico como esse, criticar o ideal cientificista era um desafio um tanto quanto ousado. E foi justamente o que Bergson fez.
Ele criticava o pensamento fixo e estrito da metodologia científica. Argumentava, por exemplo, que a lógica e a ciência não conseguiam dar conta da noção de duração do tempo, pois analisavam a realidade de forma fragmentada, tornando estáticos os fragmentos, imobilizando a compreensão e ignorando a própria dinâmica inerente à realidade.
Eu penso que a ciência é um instrumento importante para a nossa vida cotidiana. É inegável todo o contributo científico nas mais diversas áreas (saúde, educação, comunicação, etc.). Entretanto, concordo com Bergson que o método científico quebra “artificialmente” a realidade, pois não consegue dar conta da realidade enquanto continuidade, enquanto algo em movimento.
Esta crítica me faz recordar um paradoxo que o filósofo pré-socrático Zenão de Eléia imortalizou. Imagine um atleta que tenha que correr em uma pista de 60 metros. Para chegar ao final da pista, primeiro ele deve percorrer a metade. Para chegar a esta metade (30 metros), ele deve percorrer a metade desta metade, ou seja, 15 metros. Continuando nesse raciocínio, de chegar à metade da metade da metade e etc., percebemos que entramos em uma seqüência ad infinitum. Nisto, fica claro o problema: como o atleta chegará ao final da pista, se antes ele tem que percorrer uma seqüência que nunca acaba, ou seja, infinita?
Como diria Bergson, enquanto a ciência está estruturada em uma metodologia que serve para confortar a nossa existência, ela pode somente nos oferecer um bem-estar momentâneo, pois é assim que se dá o seu funcionamento. Contudo, a filosofia, enquanto método que leva em conta a constante fluidez da realidade, pode nos oferecer a alegria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”.

"Ao invés de enunciar os julgamentos com a ajuda da cópula “é”, como de hábito, o estoicismo (doutrina filosófica) propõe uma sintaxe que caracterize o movimento e a impermanência: não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”. Evidencia-se não a qualidade (o adjetivo), mas sim a ação (o verbo), para exprimir não o conceito, mas somente um acontecimento. O que se exprime no julgamento estoico não é uma propriedade como “o corpo équente”, mas o acontecimento “esse corpo se esquenta”. (...) Por isso mesmo, filósofos do limite, como Gilles Deleuze, e ficcionistas montados no paradoxo, como Lewis Carroll, retornam tantas vezes ao estoicismo. Se a árvore “verdeja”, logo ela não é verde".
(KRAUSE, G. B. A Ficção cética, p. 221-222.)

Os deuses helênicos são forças e não pessoas

III COLÓQUIO BRASILEIRO SOBRE EPICTETO

Programação retirada do site do evento: https://iiicoloquiobrasileirosobreepicteto.wordpress.com/
08 de março 2018 – Porto Alegre – PUCRS
9h – Roberto Pich (PUCRS) – A prohairesis de Epicteto e a voluntas de Agostinho: aproximações e diferenças
9h40min – Antônio Tarquinio (SP) – Em torno à euroeseis
10h20 – intervalo
10h40min – Marcelo Barreto dos Santos (UFBA) – Epicteto e a katalepsis no uso correto das phantasiai
11h20min – Donato Ferrara (USP) – As quatro virtudes cardeais na visão de Epicteto
12:00h – almoço
14h – defesa Mestrado Diogo Luz (PUCRS) – Dissertação: Pathos: distúrbio passional e terapia em Epicteto
16h – intervalo
16h20min – André Alonso – Apontamentos sobre phantasía em Platão, Aristóteles e Epicteto 
17h – Carlos Enéas – Musônio Rufo nos propõe uma postura política ideal?
17h40min – encerramento ******************************* 09 de março 2018 – São Leopoldo – UNISINOS 9h – Luiz Rohden (UNISINOS) – Abertura e palestra
9h40 – Aldo Dinucci (UFS) – O teorema ontológico…