Pular para o conteúdo principal

Primeira Vez

Bom, tudo tem sua primeira vez. Resolvi criar esse blog para passar um pouco de mim, das coisas que faço, que escrevo e que penso.

Para começar, abaixo está uma letra de música que escrevi no inverno do ano passado e que gosto muito. Muitas pessoas podem interpretá-la somente visando um relacionamento amoroso, mas na verdade relaciono esta letra com qualquer outra paixão o que o homem possa ter. Os sentidos (olfato, paladar, tato...) vão despertando sensações que atraem a pessoa. Com o tempo, quem ler este blog perceberá que gosto muito da escola de Cruz e Souza - Simbolismo - pois utilizo muito de sinestesia*.

*Sinestesia: é a relação de planos sensoriais diferentes: Por exemplo, o gosto com o cheiro, ou a visão com o olfato. O termo é usado para descrever uma figura de linguagem e uma série de fenômenos provocados por uma condição neurológica.



Uma luz lateral
Desce em seu peito
Respira a sua tez
Enamora seus seios
Beija sua nudez

Sinto o delírio forte
Da paixão a aflorar
O ar claro e sereno
Da noite ao luar
É a luz da noite
Do amor a iluminar

Todos os sentidos
Sabem sem querer
A vitória dos ciclos
Da manhã ao entardecer
Renovar a paixão
Faz o homem viver

Comentários

  1. Diogo, sejas bem-vindo ao mundo da blogosfera!
    Começaste muito bem! Uma primeira vez poética, parabéns pela letra. Músico, poeta, escritor... Que outras surpresas tu nos reserva? Estarei aqui para conferir. Beijão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”.

"Ao invés de enunciar os julgamentos com a ajuda da cópula “é”, como de hábito, o estoicismo (doutrina filosófica) propõe uma sintaxe que caracterize o movimento e a impermanência: não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”. Evidencia-se não a qualidade (o adjetivo), mas sim a ação (o verbo), para exprimir não o conceito, mas somente um acontecimento. O que se exprime no julgamento estoico não é uma propriedade como “o corpo équente”, mas o acontecimento “esse corpo se esquenta”. (...) Por isso mesmo, filósofos do limite, como Gilles Deleuze, e ficcionistas montados no paradoxo, como Lewis Carroll, retornam tantas vezes ao estoicismo. Se a árvore “verdeja”, logo ela não é verde".
(KRAUSE, G. B. A Ficção cética, p. 221-222.)

Os deuses helênicos são forças e não pessoas

III COLÓQUIO BRASILEIRO SOBRE EPICTETO

Programação retirada do site do evento: https://iiicoloquiobrasileirosobreepicteto.wordpress.com/
08 de março 2018 – Porto Alegre – PUCRS
9h – Roberto Pich (PUCRS) – A prohairesis de Epicteto e a voluntas de Agostinho: aproximações e diferenças
9h40min – Antônio Tarquinio (SP) – Em torno à euroeseis
10h20 – intervalo
10h40min – Marcelo Barreto dos Santos (UFBA) – Epicteto e a katalepsis no uso correto das phantasiai
11h20min – Donato Ferrara (USP) – As quatro virtudes cardeais na visão de Epicteto
12:00h – almoço
14h – defesa Mestrado Diogo Luz (PUCRS) – Dissertação: Pathos: distúrbio passional e terapia em Epicteto
16h – intervalo
16h20min – André Alonso – Apontamentos sobre phantasía em Platão, Aristóteles e Epicteto 
17h – Carlos Enéas – Musônio Rufo nos propõe uma postura política ideal?
17h40min – encerramento ******************************* 09 de março 2018 – São Leopoldo – UNISINOS 9h – Luiz Rohden (UNISINOS) – Abertura e palestra
9h40 – Aldo Dinucci (UFS) – O teorema ontológico…