Pular para o conteúdo principal

Coração de pedra

Atualizando meu blog, que nem sei mais se é pessoal, artístico, sei lá. Só sei que aqui resolvo publicar minhas divagações para quem queira ler. Como, cada vez mais, percebo que a (minha) vida é um aprendizado constante, resolvi postar algo que escrevi há muito tempo, que inclusive já foi até musicado, mas ainda não tive a felicidade de gravar. Escrevi essa letra (poesia) há uns 5 ou 6 anos atrás, e ela é um dos poucos textos que eu não mudaria nada. Quem escreve sabe que sempre quando damos uma lida em algo muito antigo de nossa autoria, dificilmente não temos vontade de mudar algo. Ela não representa o que eu penso, em essência, mas é a provocação que vale. Ei-la:

CORAÇÃO DE PEDRA (musicada)

Numa noite normal
Eu lembro de alguns homens
Quando vejo uma estátua
Dessas de traços perfeitos

Ela não faz nada
E pensa que não vemos
Que sua forma bonita
Tem um coração de pedra

Noite fria de inverno
Lembra o coração da pedra
Que mesmo com o Sol
Aquecendo à distância
Ainda prefere a sombra
O escuro da ignorância

(em breve publicarei a música, fica registrada aqui a promessa.)

Para finalizar com chave de ouro, uma música magnífica que eu acho que combina com a reflexão do texto, principalmente por que não deixa a esperança morrer. Simplesmente linda:

Comentários

  1. Pois não sei se o que torna o coração uma pedra é a ignorância ou o saber demais. Às vezes, manter os pés muito no chão nos embrutece. Talvez seja os dois que nos tornem pedras, temos que encontrar um meio termo.
    Beijos, Diogo! Saudades tuas, guri!

    ResponderExcluir
  2. Sei lá, conhecer uma pessoa como vc hoje depois de tudo que já conheci...
    Gosto de aprender tentando;E crescer através das minhas experiências...
    Amo ser surpreendida...
    Acredito muito no Potencial humano...
    Na verdade eu Amo o Ser Humano de uma forma em Geral.
    Adorei !!!

    bjsss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”.

"Ao invés de enunciar os julgamentos com a ajuda da cópula “é”, como de hábito, o estoicismo (doutrina filosófica) propõe uma sintaxe que caracterize o movimento e a impermanência: não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”. Evidencia-se não a qualidade (o adjetivo), mas sim a ação (o verbo), para exprimir não o conceito, mas somente um acontecimento. O que se exprime no julgamento estoico não é uma propriedade como “o corpo équente”, mas o acontecimento “esse corpo se esquenta”. (...) Por isso mesmo, filósofos do limite, como Gilles Deleuze, e ficcionistas montados no paradoxo, como Lewis Carroll, retornam tantas vezes ao estoicismo. Se a árvore “verdeja”, logo ela não é verde".
(KRAUSE, G. B. A Ficção cética, p. 221-222.)

Os deuses helênicos são forças e não pessoas

III COLÓQUIO BRASILEIRO SOBRE EPICTETO

Programação retirada do site do evento: https://iiicoloquiobrasileirosobreepicteto.wordpress.com/
08 de março 2018 – Porto Alegre – PUCRS
9h – Roberto Pich (PUCRS) – A prohairesis de Epicteto e a voluntas de Agostinho: aproximações e diferenças
9h40min – Antônio Tarquinio (SP) – Em torno à euroeseis
10h20 – intervalo
10h40min – Marcelo Barreto dos Santos (UFBA) – Epicteto e a katalepsis no uso correto das phantasiai
11h20min – Donato Ferrara (USP) – As quatro virtudes cardeais na visão de Epicteto
12:00h – almoço
14h – defesa Mestrado Diogo Luz (PUCRS) – Dissertação: Pathos: distúrbio passional e terapia em Epicteto
16h – intervalo
16h20min – André Alonso – Apontamentos sobre phantasía em Platão, Aristóteles e Epicteto 
17h – Carlos Enéas – Musônio Rufo nos propõe uma postura política ideal?
17h40min – encerramento ******************************* 09 de março 2018 – São Leopoldo – UNISINOS 9h – Luiz Rohden (UNISINOS) – Abertura e palestra
9h40 – Aldo Dinucci (UFS) – O teorema ontológico…