Pular para o conteúdo principal

Reler para entender. Entender para reler.

2008 foi um ano difícil para mim. Muitas mudanças, muitos paradigmas começaram a ser quebrados a partir desse ano. Isso eu percebo melhor ainda agora, em 2010. É…só agora estou cortando os últimos(?) fios das teias que me prendiam a tais idéias. Isso surge na minha mente ao mesmo tempo que vejo como as coisas têm seu tempo. Por isso é importante não termos pré-conceitos, pois isso bloqueia a nossa evolução.

A necessidade do surgimento de uma nova perspectiva, uma nova paixão, como sendo um elixir/remédio/alimento para a vida. Metáforas de nascimento. Assim, surgiu a inspiração para o que escrevi em 2008:

Quero a cura, a semente
Que brota do Sol nascente
Mostra a aurora da felicidade
Depende só de mim, somente

A gota de orvalho cai
Reflete o frescor do novo
Na manhã do Sol que nasce
Sai a vida do amor ardente

Quero chorar de felicidade
Me sentir vivo – hoje –
Namorar as gotas de Sol
Que brotam da janela
Sentir o suor do dia
Fazer o que sonhei com ela

Um sonhador preso ao luar
Não consegue parar de sonhar
Imagina a maresia sem ar
O horizonte sem mar
Mas nunca imaginará
A sua vida sem par

Comentários

  1. Pra mim foi muito importante ler esse post, tava precisando. Penso assim também! A infinidade de coisas e sentimentos que rodeiam nossos dia-a-dia não são poucos. Precisa-se de muito mais que simplesmente acordar...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”.

"Ao invés de enunciar os julgamentos com a ajuda da cópula “é”, como de hábito, o estoicismo (doutrina filosófica) propõe uma sintaxe que caracterize o movimento e a impermanência: não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”. Evidencia-se não a qualidade (o adjetivo), mas sim a ação (o verbo), para exprimir não o conceito, mas somente um acontecimento. O que se exprime no julgamento estoico não é uma propriedade como “o corpo équente”, mas o acontecimento “esse corpo se esquenta”. (...) Por isso mesmo, filósofos do limite, como Gilles Deleuze, e ficcionistas montados no paradoxo, como Lewis Carroll, retornam tantas vezes ao estoicismo. Se a árvore “verdeja”, logo ela não é verde".
(KRAUSE, G. B. A Ficção cética, p. 221-222.)

Os deuses helênicos são forças e não pessoas

III COLÓQUIO BRASILEIRO SOBRE EPICTETO

Programação retirada do site do evento: https://iiicoloquiobrasileirosobreepicteto.wordpress.com/
08 de março 2018 – Porto Alegre – PUCRS
9h – Roberto Pich (PUCRS) – A prohairesis de Epicteto e a voluntas de Agostinho: aproximações e diferenças
9h40min – Antônio Tarquinio (SP) – Em torno à euroeseis
10h20 – intervalo
10h40min – Marcelo Barreto dos Santos (UFBA) – Epicteto e a katalepsis no uso correto das phantasiai
11h20min – Donato Ferrara (USP) – As quatro virtudes cardeais na visão de Epicteto
12:00h – almoço
14h – defesa Mestrado Diogo Luz (PUCRS) – Dissertação: Pathos: distúrbio passional e terapia em Epicteto
16h – intervalo
16h20min – André Alonso – Apontamentos sobre phantasía em Platão, Aristóteles e Epicteto 
17h – Carlos Enéas – Musônio Rufo nos propõe uma postura política ideal?
17h40min – encerramento ******************************* 09 de março 2018 – São Leopoldo – UNISINOS 9h – Luiz Rohden (UNISINOS) – Abertura e palestra
9h40 – Aldo Dinucci (UFS) – O teorema ontológico…