Pular para o conteúdo principal

Os contemporâneos: A geração Y

        Muitas vezes, quando vou conversar com alguns críticos de nossa sociedade, percebo críticas fundadas em visões de mundo ultrapassadas, ainda nos moldes de uma modernidade sólida (como diria Zygmunt Bauman, no seu livro - A modernidade líquida). Mesmo reconhecendo uma realidade diferente daquela de 20 ou 30 anos atrás, muitos continuam achando que o que a nova geração deseja é o mesmo que se desejava em uma época sem internet.
        Eu gosto bastante de história, inclusive quase prestei vestibular para história. Entretanto, tenho que admitir que não podemos ficar com o nosso pensamento preso ao passado, preso a algo que já aconteceu. Este tipo de nostalgia, esse louvor exagerado aos livros e à tradição nos impedem de olhar adiante. E é exatamente isso que eu percebo em alguns intelectuais quando digo que muitos criticam a atualidade com uma visão calcada praticamente em livros com contexto histórico diferente do nosso. Para deixar claro: não sou contra os livros, muito menos contra os livros de história; muito pelo contrário, adoro ler. Eu apenas entendo que temos que ter a capacidade de não depender somente deles para analisar o mundo que está à nossa volta.
         Após esta breve introdução, apresento um vídeo referente à geração Y (a geração atual) e que relata a relação desta com o trabalho e a vida em si.


PS.: Depois de assistir, fiquei pensando nas ideologias "estáticas" que ainda encontram seguidores que se esforçam para manter o mundo do trabalho nos moldes de antigamente. No serviço público, então, é o que mais se encontra. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”.

"Ao invés de enunciar os julgamentos com a ajuda da cópula “é”, como de hábito, o estoicismo (doutrina filosófica) propõe uma sintaxe que caracterize o movimento e a impermanência: não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”. Evidencia-se não a qualidade (o adjetivo), mas sim a ação (o verbo), para exprimir não o conceito, mas somente um acontecimento. O que se exprime no julgamento estoico não é uma propriedade como “o corpo équente”, mas o acontecimento “esse corpo se esquenta”. (...) Por isso mesmo, filósofos do limite, como Gilles Deleuze, e ficcionistas montados no paradoxo, como Lewis Carroll, retornam tantas vezes ao estoicismo. Se a árvore “verdeja”, logo ela não é verde".
(KRAUSE, G. B. A Ficção cética, p. 221-222.)

Os deuses helênicos são forças e não pessoas

III COLÓQUIO BRASILEIRO SOBRE EPICTETO

Programação retirada do site do evento: https://iiicoloquiobrasileirosobreepicteto.wordpress.com/
08 de março 2018 – Porto Alegre – PUCRS
9h – Roberto Pich (PUCRS) – A prohairesis de Epicteto e a voluntas de Agostinho: aproximações e diferenças
9h40min – Antônio Tarquinio (SP) – Em torno à euroeseis
10h20 – intervalo
10h40min – Marcelo Barreto dos Santos (UFBA) – Epicteto e a katalepsis no uso correto das phantasiai
11h20min – Donato Ferrara (USP) – As quatro virtudes cardeais na visão de Epicteto
12:00h – almoço
14h – defesa Mestrado Diogo Luz (PUCRS) – Dissertação: Pathos: distúrbio passional e terapia em Epicteto
16h – intervalo
16h20min – André Alonso – Apontamentos sobre phantasía em Platão, Aristóteles e Epicteto 
17h – Carlos Enéas – Musônio Rufo nos propõe uma postura política ideal?
17h40min – encerramento ******************************* 09 de março 2018 – São Leopoldo – UNISINOS 9h – Luiz Rohden (UNISINOS) – Abertura e palestra
9h40 – Aldo Dinucci (UFS) – O teorema ontológico…