Pular para o conteúdo principal

Post técnico!

Como todos sabem, sou apaixonado por áudio e música. E, em homenagem à minha cachaça, dedico este post para demonstrar a diferença entre MIXAGEM E MASTERIZAÇÃO. Quem nunca viu, nos créditos dos CDs, aquele “masterizado por…” ou aquelas bandas antigas remasterizadas para CD? Pois é, para quem não entende nada do assunto, mixagem é bem diferente de masterização. Mixagem é o ato de equilibrar, juntar e organizar os diferentes instrumentos envolvidos na música para que soem de forma equilibrada e harmônica. Já a masterização é o ato de duplicação do material, ou seja, é a hora de gravar em CD, DVD, etc. Também existe a pré-masterização, que tem o objetivo de deixar a música mais “aberta” e com mais “peso”, tornando-se assim, plenamente audível tanto em um ipod quanto em uma casa noturna. Como, hoje em dia, os conceitos de master e de pré-master estão mais coesos, sendo utilizados como sinônimos, posso dizer que a masterização é a FINALIZAÇÃO da música.

Como exemplo para a audição, utilizei uma gravação que fizemos aqui em casa, no meu homestudio. Trata-se da música Last Kiss, do Pearl Jam, interpretada pela banda DUPLO ETÉRICO (minha banda, hehehe). Luciano: vocal principal e violão principal. Eu: cajon (percussão), backing vocal e violões.

 

Aqui, a música SOMENTE MIXADA:

Agora, a música MIXADA e MASTERIZADA:

 

Minha filha (e assistente de estúdio) gostou da finalização do projeto.

SDC11185

Até a próxima!

Comentários

  1. Legal colocar as duas versões... realmente a masterização dá outra cara pra música.
    E fala pra tua assistente de estúdio que eu tenho um fone igual a esse em casa! uiasuhaiuhsuai
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. A bebezoca é a que manda no som aqui!!

    ResponderExcluir
  3. Que legal essa tua ideia de "avisar" a gurizada sobre o que se tratam as duas coisas! Eu nem imaginava!
    Muito bom saber!
    Bjão, Diogo!

    ResponderExcluir
  4. Legal saber dessas diferenças, para quem é leigo! Um amor a Ana Clara com os fones de ouvido! Tá com cara de quem está gostando.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”.

"Ao invés de enunciar os julgamentos com a ajuda da cópula “é”, como de hábito, o estoicismo (doutrina filosófica) propõe uma sintaxe que caracterize o movimento e a impermanência: não se deve dizer “a árvore é verde”, mas sim “a árvore verdeja”. Evidencia-se não a qualidade (o adjetivo), mas sim a ação (o verbo), para exprimir não o conceito, mas somente um acontecimento. O que se exprime no julgamento estoico não é uma propriedade como “o corpo équente”, mas o acontecimento “esse corpo se esquenta”. (...) Por isso mesmo, filósofos do limite, como Gilles Deleuze, e ficcionistas montados no paradoxo, como Lewis Carroll, retornam tantas vezes ao estoicismo. Se a árvore “verdeja”, logo ela não é verde".
(KRAUSE, G. B. A Ficção cética, p. 221-222.)

Os deuses helênicos são forças e não pessoas

III COLÓQUIO BRASILEIRO SOBRE EPICTETO

Programação retirada do site do evento: https://iiicoloquiobrasileirosobreepicteto.wordpress.com/
08 de março 2018 – Porto Alegre – PUCRS
9h – Roberto Pich (PUCRS) – A prohairesis de Epicteto e a voluntas de Agostinho: aproximações e diferenças
9h40min – Antônio Tarquinio (SP) – Em torno à euroeseis
10h20 – intervalo
10h40min – Marcelo Barreto dos Santos (UFBA) – Epicteto e a katalepsis no uso correto das phantasiai
11h20min – Donato Ferrara (USP) – As quatro virtudes cardeais na visão de Epicteto
12:00h – almoço
14h – defesa Mestrado Diogo Luz (PUCRS) – Dissertação: Pathos: distúrbio passional e terapia em Epicteto
16h – intervalo
16h20min – André Alonso – Apontamentos sobre phantasía em Platão, Aristóteles e Epicteto 
17h – Carlos Enéas – Musônio Rufo nos propõe uma postura política ideal?
17h40min – encerramento ******************************* 09 de março 2018 – São Leopoldo – UNISINOS 9h – Luiz Rohden (UNISINOS) – Abertura e palestra
9h40 – Aldo Dinucci (UFS) – O teorema ontológico…